terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Rio 2016: uma piada de mau gosto

Na TV passa uma propaganda do governo federal que diz: “O Brasil é tão bom quanto seu voto”. Às vezes acho que isso é mesmo verdade, já que eu voto nulo.

A candidatura do Rio de Janeiro à sede dos Jogos Olímpicos de 2016 é mais uma prova de que, como dizia o general francês Charles de Gaulle, este país realmente não é sério. Afirmação muito bem registrada por Rita Lee na canção “M Te Vê”, segundo a qual o Brasil dos anos 90 tinha “um pé no penta, o outro em Chernobyl”. Nos anos 2000, estamos mais próximos do Iraque, mas as nossas autoridades parecem estar mais preocupadas em aparecer nos jornais do que em resolver os problemas da nação.

Não bastou o fiasco da candidatura para 2004. Tanto lá como cá, o circo foi armado para sustentar uma tragédia anunciada. Na época, integrantes do COI (Comitê Olímpico Internacional) até bateram uma bolinha no Maracanã, mas, dentro das quatro linhas de sua sede, em Lausanne, na Suíça, jogaram o Rio para escanteio.

Agora, não houve caos aéreo que segurasse a comitiva brasileira. Enquanto todos os adversários cariocas mandaram seus projetos por correio, políticos e autoridades esportivas nacionais pegaram o meu e o seu dinheiro, fizeram as malas e partiram para a Suíça. Sem a violência e a desordem urbana que deixaram para trás, encontraram o cenário ideal para estamparem largos sorrisos frente às câmeras de TV. O saudoso Carequinha não faria palhaçada maior.

O Rio de Janeiro não tem a menor estrutura para sediar um evento do porte das Olimpíadas. Fala-se muito no sucesso dos Jogos Pan-americanos, mas é como comparar uma bicicleta a um avião supersônico. Além disso, no Pan ocorreram vários problemas com as instalações e a venda de ingressos, entre outros, todos eles minimizados por nossa imprensa ufanista.

A falta de estrutura carioca começa, é claro, pela segurança. Como a cidade quer receber, durante quase um mês, milhares de pessoas do mundo inteiro se não consegue nem garantir transporte seguro do aeroporto até os hotéis? Quantos ônibus de excursão são assaltados todos os meses na Linha Vermelha, sem que as autoridades tomem a decisão de estabelecer ali um policiamento ostensivo? Isso quando a Linha Vermelha está aberta, né? No último domingo, ficou nove minutos fechada por causa de um tiroteio - uma semana antes, foram 30. E ainda tem a Linha Amarela, a Avenida Brasil e outras tantas vias importantes que estão à mercê do tal “poder paralelo”.

O que dizer, então, dos assaltos na orla? Pode existir um absurdo maior que este? O sujeito está caminhando tranqüilamente pelo calçadão de Copacabana ou Ipanema quando, em meio a centenas de pessoas – nenhuma delas policial ou guarda municipal – é furtado. E se tentar reagir pode morrer, nas mãos do bandido ou no trânsito, ao atravessar a rua, como aconteceu recentemente com um turista italiano.

O sistema de transporte carioca beira o ridículo. Se um paulistano perde o metrô, não gasta mais de um minuto e meio até pegar outra composição. Já o carioca que passa pela mesma situação chega a amargar seis minutos de uma longa espera. E quando o metrô chega, está tão cheio que faz o cidadão pensar se vale mesmo a pena trocar as ruas pelos trilhos.

A malha metroviária do Rio é de apenas 42 quilômetros, menor que a de São Paulo (62 km) e a de outras metrópoles de países em desenvolvimento, como a Cidade do México (250 km). Isso sem contar as grandes cidades de países do Primeiro Mundo, como Tóquio (292 km), Madri (224 km) e Chicago (166 km), concorrentes diretas do Rio na disputa pela sede das Olimpíadas de 2016.

Outro problema latente do Rio de Janeiro é a poluição da Baía de Guanabara, onde seriam realizadas todas as competições marítimas. Há muitos anos fala-se na despoluição, que é caríssima e nunca aconteceu. Você acredita que será feita agora?

Se para os Jogos Pan-americanos foram gastos R$ 4 bilhões, não dá nem para estimar quanto seria necessário investir para deixar o Rio de Janeiro minimamente preparado para receber as Olimpíadas. Sediar o evento é um sonho dos cariocas e faria muito bem à cidade, mas não seria melhor, antes de pensar nisso, buscar investimentos que garantissem uma vida mais digna à população e mais segurança para as pessoas que visitam o Rio?

A resposta parece óbvia. Mas quem está preocupado com isso? O importante, mesmo, em ano de eleição, é dar gargalhada para as câmeras, tendo em mãos um projeto tão bonito quanto utópico. Não é, Sérgio Cabral? Só faltou perguntar se tem marmelada.

3 comentários:

Anônimo disse...

Não sabia que a linha vermelha tinha sido fechada por nove horas. O site que eu li dava conta apenas de nove MINUTOS, o que eu já achei um absurdo, visto que eu tenho que passar sempre por essa via expressa.

...


Meu Deus! O Rio sediando uma Olimpíada seria uma olimPIADA. De tão utópico, dá vontade até de rir. Ou de chorar...

Mas, já fomos Cidade Candidata uma vez, lembra? E nós, (digo nós mesmo, inclusive eu), desfilamos com camisetas com aquela logo estampada nelas, com orgulho escrachado por sermos um bom povo, sonhador, obediente e completamente desinformado sobre realidade. Totalmente alienado.

O que vimos no Pan já foi uma prévia do que pode vir a acontecer, centenas de vezes mais agravado, caso o Rio sedie as Olimpíadas da forma como o Município está atualmente, sem a menor condição de receptividade para tanta gente.

Se nós, habitantes do Estado, já sofremos com essa nossa realidade, o que dizer sobre os nossos visitantes, a maioria sequer tendo noção do que é caos urbano?

Se chover, não tem muita coisa funcionando na cidade. De repente,uma canoagem. rsrs. Se faz sol, não temos transportes com ar condicionado suficientes, para a demanda e para o calorão que anda fazendo por aqui...

Temos, sim, que trabalhar continuamente para fazer do Rio um lugar bom pra se viver. Não apenas para se visitar.

Marcos Paulo Bin disse...

Olá "Anônimo". Valeu pela correção - realmente, eu havia trocado "minutos" por "horas". Faz diferença, mas o contexto infelizmente é o mesmo. Sobre 2004, eu tb vesti a camiseta. E a oficial! Comprei numa loja autorizada, para que os recursos fossem revertidos para a candidatura! Ai, ai... Como falei no texto, ter a Olimpíada na cidade seria um orgulho para nós, cariocas. Mas é algo completamente fora de nossa realidade. Abs

Allex disse...

olim-PIADA!!a história se repete!ja ouviram falar da política pão e circo!!se não ouviram, procurem saber!!que vergonha!!!